Drunna

img513/5797/bluefogserpiericovermorgd7.jpg
Druuna é uma história em quadrinhos criada por Paolo Serpieri. Já virou até jogo de computador. Narra um futuro apocalíptico, em um mundo corrompido por uma estranha doença, onde a protagonista perambula buscando a cura, e respostas.
Os quadrinhos são carregados de sensualidade e erotismo. Quase todo tempo a heroína permanece nua. Sua nudez contrasta com o resto do cenário: tudo é degenerado, podre, sujo, a não ser em sonhos; o corpo de Druuna é perfeito.
Mas se Druuna é uma heroína, não tem a dimensão de um “super-herói”. Nas palavras de Serpieri, é apenas uma “mulher com suas complexidades, uma mulher comum, de hoje em dia”. Druuna tem uma certa beleza humana: não no seu corpo representado como puro e perfeito, mas como uma mulher comum, sem poderes, sensível, em um mundo doente.
O link de Serpieri, acima, permite ler uma entrevista com o autor, de 2003. Ele fala a respeito da personagem, de um possível filme, e de inspirações. Um tema muito comum, e caro a nós brasileiros, é a incrível semelhança de Druuna com a modelo brasileira Ana Lima, como mostra a foto:
img113/9455/druuna20modelsp5.jpg
Ana Lima posou nua como “pantera” para uma Playboy de 1989 (fotos: essa, essa, essa, essa, essa, essa ). Ao comentar sobre quem representaria melhor Druuna no cinema, Serpieri mencionou Ana Lima, e sua “semelhança fascinante. Mas ela não é uma atriz…”
 
O ensaio de Ana Lima foi publicado após a primeira história, Morbus Gravis (1985, pesquisa de preços). Na época, a fonte de inspiração do autor era Valérie Kapriski, atriz francesa. Outras possíveis candidatas a interpretar Druuna, na visão de Serpieri: Jennifer Lopez (“mas não estou inteiramente convencido”), Monica Bellucci, Salma Hayek, e Laetitia Casta.
Enfim, sobre a opção de desenhar uma mulher, o autor lança mão de uma fórmula universal:
A mulher, fisiologicamente, carrega o futuro, isso é certo. Mas ela é também a outra face da humanidade, da mesma forma que o homem. Isso dito, ela é, para mim, sua dimensão carnal, erótica, o símbolo da pulsão de vida que nos anima. Se eu desenhasse um homem nas mesmas condições, não conseguiria fazer passar esse tipo de sentimento.
img406/5803/druuna03l400kp8.jpg
Fonte:http://detudogratistem.blogspot.com

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: